Pular para o conteúdo

Homilia 12 de março de 2022

1ª semana da Quaresma

Primeira Leitura (Dt 26,16-19)
Responsório (Sl 118,1-8)
Evangelho (Mt 5,43-48)

A primeira leitura é tirada do livro de Deuteronômio (em hebraico דברים devarìm, “palavras”, desde o início do livro “estas são as palavras”; grego Δευτερονόμιο, deuteronòmio, “segunda lei”, porque é o compêndio, repetição de leis já presentes em Êxodo e em outras passagens do Pentateuco, nos primeiros Livros da  Torá escrita; os latinos adotaram o título grego e o chamaram de Deuteronomium) é o quinto livro da Tprá Hebraica e daBíblica Cristã.

É um livro escrito em hebraico, provavelmente entre o século IV e V, a.c, na Judéia, quando as tradições orais e escritas dos séculos anteriores foram ordenadas por escrito especialmente de um grupo de tradições que são identificadas como uma fonte deuteronomista do século VI a.c.

Portanto, a primeira leitura de hoje tem como seus protagonistas Deus que manifesta    sua palavra, sua promessa, sua vontade, sua obra, Moisés que ouve a palavra de Deus e transmite e o povo de Israel que a recebe, a entende e é chamado a aceitar a promessa, observar sua vontade e colaborar com seu trabalho.

Esta é a aliança, ou seja, uma escolha. Deus escolhe o povo e o povo responde escolhendo o único Deus. A aliança não é entre dois parceiros do mesmo nível, a escolha de Deus é uma escolha de graça, e escolha de Israel é uma escolha de gratidão. Deus escolhe para salvar, Israel escolhe para ser salvo. Israel escolhe receber honra, glória e vida de Deus e, acima de tudo, compartilhar a mesma santidade do Senhor.

Esse ensinamento nos faz entender melhor o significado da sinodalidade:  são todas as pessoas que são escolhidas e são todas as pessoas que devem seguir o Senhor em seus caminhos. A primeira leitura fala da salvação de todas essas pessoas. Em seguida, exalta-se a importância da comunhão dentro de Israel de acordo com os preceitos e decretos de Deus.

Esta expressão se repete duas vezes. Cumprimento de preceitos e decretos, observância de preceitos e decretos.

A oração do dia, no início da Santa Missa, retoma esse princípio fundamental: a oração não diz convertei meu coração, mas convertei-nos para vós Senhor, o Pai de nossos corações, afim de que nos dediquemos ao vosso culto.

Deus abençoe,

Giambattista Diquattro – Núncio Apostólico