Pular para o conteúdo

Papa Francisco elevou a Prelazia de Borba (AM) à categoria de Diocese

Nesta sexta-feira (18/11), o Papa Francisco elevou a Prelazia de Borba (AM) à categoria de diocese e nomeou como primeiro bispo dom Zenildo Luiz Pereira da Silva. Em 24 de fevereiro de 2016, dom Zenildo foi nomeado Bispo Prelado Coadjutor de Borba, recebendo a ordenação episcopal em 2 de abril seguinte. Desde 20 de setembro de 2017 é Bispo Prelado de Borba.

A Prelazia foi eregida por meio da bula Ad Christi, do Papa Paulo VI, em 13 de julho de 1963. No mês seguinte, foi nomeado o administrador apostólico, dom João de Souza Lima. A ereção canônica deu-se no dia 14 de março de 1964. Em 18 de junho do mesmo ano, por meio da bula Summo Gaudio, foi nomeado frei Adriano Jaime Miriam Veigle como primeiro bispo prelado de Borba. Sua posse foi em 8 de setembro de 1964, na catedral Santo Antônio de Pádua, na cidade de Borba

Natural de Linhares (ES), dom Zenildo nasceu em 6 de junho de 1968. É membro da Congregação do Santíssimo Redentor. Recebeu a ordenação presbiteral em 11 de agosto de 2001. Possui pós-graduação em Gestão de Pessoas.

Com a elevação da prelazia a diocese, dom Zenildo Luiz Pereira da Silva foi nomeado o primeiro bispo diocesano de Borba. Natural de Linhares (ES), dom Zenildo nasceu em 6 de junho de 1968. É membro da Congregação do Santíssimo Redentor. Recebeu a ordenação presbiteral em 11 de agosto de 2001. Possui pós-graduação em Gestão de Pessoas.

Na trajetória sacerdotal, atuou como formador do Juniorato Redentorista, em Manaus. Foi pároco em paróquias da arquidiocese de Manaus, entre 2001 e 2011, e também atuou como vice provincial dos redentoristas de 2011 a 2014. Foi nomeado como coadjutor da Prelazia de Borba em fevereiro de 2016. Dom Zenildo escolheu como lema episcopal “Apascenta minhas ovelhas”.

Já como bispo, atuou como coadjutor da prelazia de Borba, entre 2 de abril de 2016 e 20 de setembro de 2017. Assumiu o governo da prelazia três dias depois. Em 2019, foi eleito secretário do Regional Norte 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Fonte: CNBB